domingo, 19 de julho de 2015

Seis de Ouros, a carta da generosidade.

Seis de Ouros
Generosidade. Doação de recursos a outras pessoas, retribuição. Gratidão.
A carta mostra um homem a dar esmolas a um pedinte enquanto outro espera para, talvez, receber também.
Na mão esquerda, o doador segura uma balança, símbolo de equilíbrio e de justiça.
Dar e receber devem ser equilibrados. Tanto somos doadores quanto receptores de emoções, sentimentos, palavras, gestos, como também de dinheiro, riqueza, possibilidades e energias positivas e negativas.
Podemos estar na posição de qualquer um dos personagens apresentados. Temos pessoas que precisam de nossa doação, pessoas a quem devemos gratidão e retribuição por serviços prestados, por servirem-nos.
Agradecimentos e oferendas, gorjetas, presentes.
Quando se quer receber favores dos Deuses, Eles devem ser agradados. Trabalho é doação, dinheiro é doação de vida para quem esteja necessitando; é também retribuição, reconhecimento do valor de um produto ou serviço.
A balança lembra que devemos avaliar a quem devemos ajudar, com quem devemos ser mais generosos, de acordo com o merecimento de cada um.
O fluxo de energias trocadas se interliga entre as diversas áreas da vida; o benefício que se faz a alguém ou o prejuízo que se causa em alguém na nossa vida profissional, por exemplo, poderá ser retribuído com um favorecimento na vida amorosa; e vice-versa.
Da mesma forma, problemas na via amorosa podem estar relacionados a dar demais a uma só pessoa ao invés de ser generoso com todas as pessoas.







Nenhum comentário:

Postar um comentário